Talvez por duvidar da recuperação de um objeto roubado ou simplesmente para evitar um processo burocrático, muitas pessoas ainda não ligam para o 190 e deixam de fazer um boletim de ocorrência (B.O) quando se tornam vítimas de furto ou roubo. 

Os Órgãos de Segurança Pública atuam também com evidências baseadas nos dados dos registros de ocorrências através do 190 e Boletins de Ocorrências. A Coordenadora Integrada de Operações de Segurança (Ciops) recebe o chamado e encaminha para as autoridades competentes.

Fazer o registro, no momento em que foi vítima ou viu alguma situação de violação, mesmo que de outra pessoa, ajuda a gerar dados para a secretaria da segurança planejar suas ações e atuações nos bairros, como também na investigação e facilita a recuperação do objeto roubado ou furtado. 

"A importância de informar o máximo de dados nos leva a direcionar uma atuação mais precisa, identificando as características do suspeito, veículo, local e possíveis rotas de fugas. Com os dados podemos identificar o modo de atuação e os principais bens que mais interessa, por exemplo, tipo de veículo, aparelho celular, horários, locais de atuação, dentre outros", explica o gerente de videomonitoramento do município, Max Muller. 

Para que essa ferramenta seja mais eficiente, é necessário a participação da população para traçar, o mais breve possível, o maior número de informações e dados relativos ao fato ou ocorrência policial, ligando para o 190-Emergência e, em seguida, registrando o Boletim de Ocorrências.

Segundo o delegado da Polícia Civil de Sobral, Ozaniel Vasconcelos, o B.O é imprescindível, pois os dados coletados nesses boletins podem nortear as forças de segurança tanto para fazer um patrulhamento ostensivo na cidade quanto para iniciar uma investigação. "O B.O é algo muito útil, por mais que não seja garantia que iremos resgatar o bem subtraído por furto ou roubo, o registro é o primeiro passo para que isso aconteça", finalizou. 

BOLETIM ELETRÔNICO AQUI